You are currently viewing Literatura infantil auxilia crianças a lidar com temas difíceis
A 4ª Bienal Brasil do Livro e da Leitura começa neste sábado (18) e vai até 26 de agosto, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília.

Literatura infantil auxilia crianças a lidar com temas difíceis

Coleções abordam temas como luto, divórcio e câncer infantojuvenil

Abordar assuntos delicados como morte, divórcio e doenças com as crianças não é tarefa fácil. Até para quem é adulto, lidar com estas questões exige equilíbrio emocional. Mas, com as crianças, abordar de forma lúdica, por meio de livros, pode ser o caminho para iniciar o assunto de forma mais compreensível e humanizada.

Os livros podem ajudar famílias e educadores a lidar com momentos de transição importantes para as crianças como a hora de deixar as fraldas, de dizer adeus para a chupeta, ou ainda de lidar com a morte de um parente ou de um animal de estimação.

Fernando Vernilo trabalhou durante dez anos como Relações Públicas e, quando se tornou mãe, sentiu falta de livros que abordassem temas como desmame e o desfralde, por exemplo. Assim nasceu o projeto da coleção de livros Conto com Você.

Eu, Fernanda Vernilo, RG sob número 355992954, autorizo o uso da minha imagem de autoria da fotógrafa Marcela Alvim pela Agência Brasil mediante créditos.
 A empreendedora Fernanda Vernilo com livros da coleção Conto com Você – direitos reservados/Marcela Alvim

“Saí do meu trabalho para um [ano] sabático improvisado, depois do nascimento do meu primeiro filho, e estava procurando uma oportunidade de empreender. A ideia do livro surgiu quando comecei a estudar sobre como fazer nosso desmame e descobri que o lúdico da história ajudaria demais na comunicação. Livros assim não existiam no Brasil e, como sou formada em comunicação, acredito demais na importância da clareza do que é dito para o sucesso do processo. Assim nasceram o Mamar quando o Sol Raiar e Tchau, Tetê, os primeiros livros para apoio na condução de desmame do Brasil”.

Os livros da coleção também abordam sentimentos como o ciúme de uma irmã que nasceu ou a tristeza com a separação dos pais. Fernanda conta que, além de ajudar a passar por estes desafios com leveza, os livros da coleção colocam as crianças como protagonistas do processo com autonomia e respeito.

“O objetivo da Coleção é publicar livros sobre diversas temáticas da infância para ajudar no diálogo entre gerações, com muito acolhimento, verdade e respeito”.

Mamar quando o Sol Raiar e Tchau, Tetê foram os dois primeiros títulos da editora, escritos por Fernanda. De 2018 até hoje, a editora já publicou mais de 25 outros títulos de diferentes autoras, todos seguindo a mesma proposta narrativa, como Dino Davissauro, para controle de raiva, e Pode Parar, para prevenção de abuso sexual.

Paz e respeito

A paz de laboratório
A paz de laboratório – Divulgação/A paz de laboratório

Diante do cenário que o mundo assiste de uma guerra entre a Rússia e a Ucrâcia, no Leste Europeu, um livro pode esclarecer para as crianças a importância da paz e da união entre os países, mas principalmente entre as pessoas.

O livro Paz de Laboratório levou dois anos de pesquisa com crianças e adultos, que relataram o que sabem sobre a paz e o que gostariam de ter aprendido na infância. A obra trabalha valores como respeito, amor, amizade, empatia, liberdade e união. A autora Izabel Stresser Araujo relata que o projeto do livro iniciou quando o pai dela morreu.

“Quando meu pai faleceu, eu tive um momento muito difícil, em que eu não conseguia encontrar a paz e isso me levou a refletir que pouco sabemos sobre ela, do que ela é feita, o que podemos fazer para nos sentir em paz. Mergulhei em um projeto de dois anos para escrever o livro. Pensei muito na minha filha, sobre reflexões e conversas que gostaria de ter com ela”.

Porém, conta Renata, a inspiração para o enredo veio anos antes da morte do pai. “O engraçado é que cinco anos antes eu sonhei com a história de um livro em que crianças ouviram que a paz estava desaparecendo e resolveram fabricá-la em laboratório para ajudar o mundo todo. Para isso, elas precisavam descobrir do que a paz é feita.

“Resolvi colocar esse sonho em prática e perguntei a mais de 200 pessoas o que elas gostariam de ter aprendido sobre a paz na infância. Daí, saíram sete ingredientes: amor, empatia, liberdade, coragem, respeito, amizade e união, que são abordados de uma forma lúdica, como se fosse uma aventura na busca dos ingredientes”.

O que ela aprendeu ao escrever Paz de Laboratório, é o que espera que as crianças absorvam com a leitura. “Aprendi que somos ensinados a camuflar nossos sentimentos e achamos que a paz é a ausência de conflito. Na paz, aprendemos a lidar com conflitos, que sempre irão existir. Por acharmos que paz é não discordar, abrimos mão de nós mesmos e dos nossos sentimentos em troca de uma falsa paz. Precisamos, urgentemente, educar sobre a paz, mais do que educamos para a competição”, defende a autora.

Câncer na infância

Livia em uma das sessões de quimioterapia
Lívia em uma das sessões de quimioterapia – Arquivo pessoal

Conversar sobre doenças com os pequenos é outro tema complexo, porém se torna mais importante ainda se é a própria criança que está com uma doença grave, como um câncer, por exemplo.

Depois de passarem pela dor de perder um filho para a leucemia, Francisco e Sonia, tinham o sonho de levar o tema para as salas de aulas. Eles são gestores do Instituto Ronald McDonald, uma organização sem fins lucrativos, que há mais de 22 anos atua para aproximar famílias da cura do câncer infantojuvenil.

Para a missão, convidaram a escritora Isa Colli. Ela aceitou o convite e escreveu Tulipa Glória e sua Amiga Vitória. O lançamento do livro faz parte de um projeto maior, que vai destinar um percentual das vendas para o tratamento de pacientes com câncer.

No livro, a sementinha Glória e a menina Vitória, que está em tratamento contra a leucemia, se tornam amigas. O título infantil traz uma abordagem mais leve da situação para crianças que vivem com essa doença.

A escritora conta que ficou muito emocionada com o convite, porque tem uma longa história pessoal de lutas e vitórias contra o câncer, o que a faz participar de diversos projetos para apoiar a causa. Desafio aceito, veio a parte da inspiração, conta Isa.

“Em apenas uma noite, dei vida à Vitória, menina carinhosa com os pais, mas que carrega um ar tristonho justamente por estar enfrentando um problema de saúde. Glória, uma semente sonhadora, foi levada pelo vento para o jardim onde mora Vitória. O destino as aproxima e as lágrimas de garotinha dão a força que Glória precisa para sobreviver. A partir dali nasce uma relação de cumplicidade entre as duas. De forma leve, o livro pretende ensinar aos pequenos como superar problemas difíceis, como as doenças”.

Tulipa Glória e sua amiga Vitória
Tulipa Glória e sua amiga Vitória – Divulgação/Tulipa Glória e sua amiga Vitória

Para a escritora, é importante ter clareza ao abordar temas delicados com crianças. “Temas delicados devem ser abordados com as crianças de maneira lúdica e sem esconder informações. No caso de Tulipa Glória e sua amiga Vitória, eu abordo o câncer de forma leve para motivar e trazer esperança às crianças que lutam contra essa doença e aos seus familiares”.

A pequena Lívia, hoje com seis anos, começou a luta contra a leucemia quando tinha quase dois anos. Na época, a mãe usou outros recursos para que a menina fizesse as sessões de quimioterapia, com um pouco de brincadeira e fantasia para aguentar as horas de aplicação dos medicamentos.

“Para tornar as coisas mais suaves para a Livinha fizemos as ‘químio temáticas’. A gente fazia uma pequena decoração no quarto, eu levava uma fantasia pra ela vestir quando terminasse a químio e fosse consultar com a oncologista pediátrica, a Ana Luiza Rodrigues”, relembra a mãe da Lívia, a empresária Lucimara Kraj.

Ela diz que, se tivesse livros como Tulipa Glória e sua amiga Vitória na época do tratamento da Lívia, usaria o recurso. “Com toda certeza usaria livros também. A Lívia não tinha entendimento nenhum quando começou a tratar, para ela era só dor e desespero, ela mal falava. Para crianças tão pequenas, tudo tem que ser lúdico. Nunca menti ou escondi nada da Lívia, mas é difícil fazer elas aceitarem a situação. No caso dela, foi o amor mesmo e o carinho da equipe e da Dra Ana Luiza, que foi quem nos conduziu à cura, da forma mais humana e carinhosa possível”.

O livro está disponível para compra no site e nas maiores plataformas de venda.

Edição: Denise Griesinger

FONTE: AGÊNCIA BRASIL-EBC

Deixe um comentário